COMO SE LIBERTAR DO EXCESSO DE ANALGÉSICOS PARA ENXAQUECA

Tempo de leitura: 5 minutos

Você toma muitos analgésicos para enxaqueca e só há piora da cefaleia?

É frequente o número de pessoas que buscam o neurologista com cefaleia diária ou quase diária, utilizando  analgésicos em excesso, sem resolver o problema.

Neste caso, é comum o paciente ter enxaqueca ou cefaleia tipo tensional, que vai se agravando com o tempo, e com isto ele começa a usar cada vez mais analgésicos, achando que é a solução ou a forma correta de tratamento.

Pelo contrário, o excesso de analgésicos pode agir no cérebro, inibindo a produção de substâncias que promovem a analgesia natural, e favorecer o agravamento das dores de cabeça, comprometendo a saúde, vida pessoal e  trabalho do indivíduo.

A cefaleia por uso excessivo de medicação é uma patologia agravada a partir de uma cefaleia primária (enxaqueca ou cefaleia tipo tensional), devido ao uso excessivo de analgésicos e antiinflamatórios.

O QUE É CONSIDERADO USO EXCESSIVO DE ANALGÉSICOS ?

O uso abusivo de medicação é a utilização de analgésicos e antiinflamatórios por mais do que 2 a 3 vezes na semana, por pelo menos três meses seguidos.

Os remédios para alívio da dor, se usados frequentemente e em quantidades altas, podem  perpetuar a cefaleia, tornando-a crônica e diária.

O QUE ACONTECE NO CÉREBRO DA PESSOA QUE ABUSA DE ANALGÉSICOS?

O excesso de medicamentos para dor de cabeça pode tornar o cérebro mais excitável e propenso à inflamação, aumentando sua sensibilidade à dor, diminuindo o seu limiar de dor e conduzindo a um estado prolongado de hiperalgesia.

Falando de forma simples, mais analgésicos pode significar mais dor.

O seu uso exagerado pode desencadear e manter a dor diária.

A incidência de enxaqueca crônica e do uso exagerado de analgésicos na população é enorme, por isso compartilhe agora este artigo com seus amigos, para que estas informações ganhem mais alcance!

HÁ FATORES DE RISCO PARA UMA PESSOA ABUSAR DE ANALGÉSICOS?

Os transtornos psiquiátricos são fatores de risco, ou seja, aumentam a chance da pessoa exagerar no uso destas substâncias.

Além disto, a presença de doenças psiquiátricas favorecem quadros mais graves de dor de cabeça, como no caso da enxaqueca.

Em minha prática clínica, ao longo dos anos, evidenciei piores quadros de enxaqueca em pessoas com ansiedade e depressão.

Por isso, estas patologias devem ser igualmente tratadas para a melhora das dores de cabeça.

TRATAMENTO EM  4 PASSOS:

Enxaqueca, dor de cabeça, cefaleia, cefaleia crônica diária, enxaqueca crônica, cefaleia por excesso de analgésicos, neurologia, neurologista Goiania, neurologista em Goiânia
Tratamento para o abuso de analgésicos

PRIMEIRO PASSO:

  • Esclarecimento: é necessário saber que o excesso de analgésicos pode ser muito prejudicial e que não é a solução para a cefaleia.
  • Só usar analgésicos com orientação médica e fazer o tratamento profilático quando necessário.

SEGUNDO PASSO:

  • Suspender desde o início a medicação analgésica  usada em excesso.
  • É preciso saber que a retirada não é fácil, podendo haver piora da dor nos primeiros dez dias, mas esta melhorará gradualmente após isto.
  • Por outro lado, se os analgésicos usados diariamente não forem retirados, eles não farão mais efeito e a pessoa poderá ter mais dor, além do risco de outras complicações em sua saúde.
  • O abuso de analgésicos pode desenvolver tolerância e dependência. Tolerância é a necessidade de se usar doses mais altas do medicamento para que ele faça efeito. Dependência é a necessidade de sempre usar a substância. Embora seja mais comum tolerância e dependência consequentes ao uso de analgésicos opióides, no cérebro da pessoa com enxaqueca isto pode ocorrer com o uso de analgésicos comuns, em excesso.

TERCEIRO PASSO:

  • Iniciar o tratamento profilático ou preventivo imediatamente.
  • Este tratamento é realizado com medicamentos neuromoduladores, que atuam nos mecanismos cerebrais que provocam a dor, promovendo o importante alívio da mesma. Estes medicamentos não são analgésicos, são outras classes de substâncias.
  • É importante saber que se os analgésicos em excesso não forem retirados, o tratamento profilático pode não ser eficaz, ou seja, não promover a melhora esperada.

QUARTO PASSO.

  • Tratamento não farmacológico: controle do estresse, atividade física regular, sono regular, alimentação saudável, tratamento de patologias psiquiátricas, caso existam, dentre outras medidas.
  • Na crise de dor, procure fazer repouso em quarto silencioso e escuro; compressas frias no local da dor podem aliviar. Para pessoas que apresentam a aura da enxaqueca, manter a calma e repouso são fundamentais. Para muitos, a aura, pelo incômodo e medo que gera, é considerada pior do que a própria dor de cabeça. Mas, estes sintomas desaparecem em cerca de 30 minutos.
  • Conhecer os gatilhos da dor, ou seja, os fatores que desencadeiam dor em você. Através deste conhecimento, você poderá amenizar ou eliminar estes gatilhos, mudar hábitos, ter menos dor e mais qualidade de vida!

Para saber mais sobre os gatilhos da dor, baixe meu E-book Gratuito:

EBOOK GRATUITO

7 GATILHOS QUE PROVOCAM ENXAQUECA

VOCÊ PODE MELHORAR!

Enxaqueca, dor de cabeça, cefaleia, cefaleia crônica diária, enxaqueca crônica, cefaleia por excesso de analgésicosEnxaqueca, dor de cabeça, cefaleia, cefaleia crônica diária, enxaqueca crônica, cefaleia por excesso de analgésicos, neurologia, neurologista Goiania, neurologista em Goiânia
Qualidade de Vida

Dor de cabeça tem tratamento eficaz.

Se a pessoa tem, por exemplo, enxaqueca, e a frequência da dor é maior do que duas a três vezes ao mês, está indicado o tratamento preventivo ou profilático.

Ele evita que a cefaleia episódica se transforme em cefaleia crônica ou cefaleia por excesso de analgésicos.

O tratamento permite melhora significativa do quadro, com alívio da frequência, intensidade e duração das crises.

Você merece ter qualidade de vida!

Dúvidas? Entre em contato conosco!

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Sua mensagem

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *